Exposição: “Até que enfim…”

27 november 2021 até 19 february 2022
Museu Etnográfico do Torrão


“Até que enfim…” é o nome de uma exposição de pintura a figurar no Museu Etnográfico do Torrão, cuja inauguração está marcada para o próximo dia 27 de novembro de 2021 pelas 16 horas. A mostra recebe trabalhos das pintoras Bia, Cândida Raposo e Micéu Nunes, e estará patente até ao dia 19 de fevereiro de 2022; poderá ser visitada de terça a sexta-feira e nos primeiros e terceiros sábados de cada mês, entre as 9h e as 13h, e das 14h às 17h. A inauguração vai contar com a participação musical do Grupo Coral Alma Alentejana.



NOTAS BIOGRÁFICAS


Bia

Natural do Torrão, onde nasceu em 1949, estudou no Torrão, onde tem vivido sempre. Desde sempre gostou de pintar e desenhar. Trabalhou nas tarefas rurais e a partir dos 35 anos trabalhou no Lar João Paulo II até à idade da reforma. Foi aluna de Expressão Plástica e Artes Visuais, entre outras áreas de aprendizagem, na Universidade Sénior do Torrão. Pertence ao Grupo Coral Alma Alentejana do Torrão. É uma pintora autodidata, de talento instintivo, produz uma arte espontânea e encara a pintura como uma atividade essencial na sua vida. Participou em diversas exposições coletivas da Universidade Sénior do Torrão.


Cândida Raposo

Nasceu no Monte da Boavista, Alcácer do Sal, e aos 4 anos foi viver para o Torrão. Na década de 60 vai para Lisboa estudar, terminando o Curso Geral dos Liceus. Em 1972 integrou os CTT/Portugal Telecom sempre na área de Gestão de Recursos Humanos. Desde sempre se dedicou às Artes Decorativas e Artesanato. Utiliza técnicas diversas de pintura: Óleo sobre tela, Guardanapo sobre vidro e tecido, Pintura com aguarelas em marfinite, Pintura com acrílico sobre madeira, Pirogravura e Pintura tridimensional. Explora com frequência a técnica “Pouring” (Acrílico Derramado). Desenvolveu a Arte de criar Mandalas e o respetivo significado. É entusiasta pelo desenvolvimento pessoal. Viajar, conhecer novas culturas e partilhar conhecimentos e experiências com pessoas são aspetos da maior importância. Leciona a disciplina de Artes Decorativas na Universidade Sénior do Torrão


Micéu Nunes

É natural de Moçambique (1952) onde viveu até aos 16 anos. É licenciada em Ciências da Educação e Design de Interiores e Equipamento Geral do I.A.D.E. Professora Aposentada de Educação Visual no Ensino Oficial, ainda hoje gosta de partilhar o que sabe. Tem um grupo de alunas na pintura de aguarelas em Monte Abraão/Queluz, onde reside, e leciona a disciplina de Expressão Plástica na Universidade Sénior do Torrão (concelho de Alcácer). Gosta dos desafios que as novas tecnologias permitem e faz pequenos vídeos a pintar onde mostra os procedimentos consoante as técnicas e os materiais que está a usar e divulga-os no Facebook. Não sendo Alentejana, passa grandes períodos de tempo no Alentejo (Torrão, terra natal do seu marido) e encanta-se com a beleza dos seus campos que mudam de cor a cada estação do ano. Desde criança que gosta de desenhar e pintar e sente a presença das cores ímpares de África que determinam a intensidade cromática das suas obras. O interesse por viajar, conhecer e pintar ao vivo, são estímulos às sensações e emoções que tenta representar. Pinta por convicção e pelo prazer de criar e explorar diferentes técnicas, materiais e texturas. A sua arte é tátil pois explora sentidos além da visão.