Teatro: “Beatriz, a Infeliz”

03 september 2021
Auditório Municipal de Alcácer do Sal


O Auditório Municipal de Alcácer do Sal recebe, na noite de 3 de setembro (sexta-feira), pelas 21h30, a peça de teatro “Beatriz, a Infeliz”, com encenação de Leonor Alcácer e João Brás.

Adaptação de “Béatrice”, da obra “Decameron”,de Giovanni Voccaccio, a peça tem uma duração aproximada de 60 minutos, destina-se a maiores de 12 anos de idade e conta, no elenco, com as atrizes Leonor Alcácer e Marta Neto, e os atores João Brás e Bruno Soares.

O evento tem entrada gratuita, mas limitada aos lugares disponíveis de acordo com as normas da DGS, sendo cumpridas as devidas regras oficiais de segurança.

A apresentação desta peça de teatro tem como promotora a Câmara Municipal de Alcácer do Sal e como parceiro institucional o Ministério da Cultura, sendo uma coprodução de LAP – Leonor Alcácer Produções e Fora da Gaveta – Promoção e Educação pelas Artes; conta ainda com os apoios de Maria Raposo Interior Design e Adega Cooperativa Vidigueira – Cuba & Alvito C.R.L.

 

 

FICHA TÉCNICA

Texto: adaptação livre de “Béatrice”, sétima novela da sétima jornada de “Decameron”, de Giovanni Boccaccio

Encenação: Leonor Alcácer e João Brás

Interpretação: Leonor Alcácer, João Brás, Marta Neto e Bruno Soares

Classificação: M12

Produção Executiva: Inês Faustino

Comunicação: Sílvia Figueiredo

Vídeo/Design Gráfico: Guilherme Peleja

Guarda-roupa: Inês Faustino

Iluminação: Pedro Carolas

Agradecimentos: Mário Fedele, Irmã Ana, Ricardo Sampaio, Maria João Almeida, Virgínia Gonçalves, Madalena R. Gonçalves, Marta Crawford, Rui Paulo, Maria Clarinda, Teatro dos Aloés

Apoios: Adega Cooperativa Vidigueira – Cuba & Alvito, C.R.L. e Maria raposo Interior design

 

SINOPSE

Esta é a história de Beatriz, uma jovem e bela mulher, dada em casamento a Bartolo, um abastado proprietário, trinta anos mais velho, um homem mais virado para os negócios e para as viagens do que para a agricultura ou para o amor. Estas proporcionavam-lhe grande prazer, arrancando-o da monotonia da lavoura e da vida conjugal, marcada por uma grande diferença de ardores. Ausentava-se, por isso, frequentemente, deixando a sua jovem esposa muito bem guardada por Generosa, uma velha governanta, e por Cândido um jovem criado, no qual depositava a maior confiança. Certo dia, Bartolo é avisado de que deve partir imediatamente para fechar um negócio altamente lucrativo. Parte, pois, precipitadamente, deixando, como de costume, Beatriz à guarda de Generosa e de Cândido. E é neste momento que começa a história…