Construção da ETAR da Comporta vai avançar

Com a assinatura da consignação para a construção do sistema de condução de efluentes para a Estação

19 november 2019

Foi com a sensação de alegria e alívio que o dia de 19 de novembro 2019 marcou o lançamento da "primeira pedra" para a construção da nova ETAR da Comporta. Teve lugar, no Auditório da Comporta, a assinatura da consignação da empreitada para a construção do Sistema Intercetor da Comporta, perante as presenças, entre outras, do presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, da vereadora Ana Soares, da presidente da Junta de Freguesia da Comporta, Deolinda Florêncio, de Francisco Narciso, presidente do Conselho de Administração da Águas Públicas do Alentejo, de um representante da empresa Ambiágua, responsável pela empreitada e de João Pedro Teixeira, advogado da Herdade da Comporta. Vai seguir-se, dentro de um mês, a consignação da construção da própria ETAR, à qual ficará ligado o novo intersetor e central elevatória.

Por seu turno, o projeto para a construção da nova ETAR da Comporta, a executar pela Águas Públicas do Alentejo em cooperação com o Município de Alcácer do Sal, tem um investimento global na ordem dos 3 milhões de euros e um prazo de 275 dias previstos para execução, e tem o objetivo primário de tratar os efluentes urbanos da Comporta. Além da Estação de Tratamento de Águas Residuais, o projeto compreende primeiramente a construção de um sistema intercetor para conduzir os efluentes gerados até à ETAR: uma extensão elevatória e pré-tratamento de efluentes, uma conduta elevatória com 1.7 quilómetros de extensão e um coletor gravítico com 83 metros.

A ETAR da Comporta vai dispor de tecnologia de ponta, com características das quais se destacam o armazenamento de lamas em contentor fechado e encerrado em sala, uma unidade de desodorização (para eliminação de odores) e a produção de água para reutilização como água de serviço. A infraestrutura tem capacidade para uma população de 2.500 habitantes e capacidade de expansão para 10.000, e foi concebida para funcionar convenientemente tanto na época baixa, para os cerca de 500 ocupantes da aldeia, como na época alta, no verão, quando o número de habitantes dispara para 1500 ou 2000. Face à sensibilidade ambiental e paisagística da zona, a Estação vai ser instalada em localização adequada, numa zona de depressão a sul da EN253, junto ao cruzamento com a EN261.