Câmara pretende declaração de calamidade para que nova cultura não seja inviabilizada

Autarca reuniu com produtores de arroz e agricultores de Alcácer

22 novembro 2017

O presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, preocupado com a situação de seca que a região do Vale do Sado atravessa, reuniu na semana passada com as associações de produtores de arroz e de regantes para se inteirar da situação e tomar medidas. 

Os produtores dizem que a região vive uma situação de calamidade e que em 2018 a cultura de arroz está comprometida. 

No encontro, que contou com a presença do presidente da União das Freguesias de Alcácer do Sal e de representantes da Associação de Regantes do Vale do Sado, Associação de Agricultores de Alcácer do Sal, Agrupamento de Produtores de Arroz  e da Soprasado foi aprovado um pedido de audiência urgente com o Ministro da Agricultura para a apresentação de medidas de curto-prazo.

Os orizicultores pedem a adoção de medidas urgentes por parte do Governo para que possam iniciar uma nova cultura, porque, se isso não acontecer a produção será inviabilizada. Os produtores exigem ainda uma redução do preço da água do Alqueva cobrado pela Edia e pedem a criação de linhas de crédito que permitam aos produtores suportar o aumento de custos e perda de rendimentos provocados pela seca.