Museu Pedro Nunes, um museu voltado para o Mundo

16 janeiro 2017


As obras de requalificação do Museu Pedro Nunes arrancam brevemente. A assinatura do Ato de Consignação da Obra do Museu Municipal entre a autarquia e a empresa IN SITU realizou-se esta tarde (16 de janeiro) no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Na assistência, para além do executivo municipal, esteve também António Balona, presidente da Assembleia Municipal, os presidentes da União das Freguesias de Alcácer e da Junta de Freguesia do Torrão, técnicos da autarquia envolvidos no projeto e representantes das empresas que vão efetuar a obra e a musealização numa fase posterior.

A obra era uma antiga ambição de Alcácer do Sal, desejada há muito tempo. O Presidente da Câmara Municipal, Vítor Proença, satisfeito com a concretização deste projeto, disse mesmo que, “do ponto de vista afetivo, esta obra do Museu Pedro Nunes tem um grande significado” para si. Também Marisol Ferreira, responsável pelo Serviço de Arqueologia da autarquia, disse que “ o ato de consignação da obra significa muito para toda a equipa da arqueologia, uma história que começou há mais de 10 anos com as escavações”. A responsável agradeceu ao presidente e a todo o executivo por terem acredito neste projeto e na equipa. Emocionado também, o arquiteto da Câmara Municipal, Mário Conceição falou da importância da recuperação do antigo museu encerrado há 10 anos para a população de Alcácer do Sal.

O Museu Municipal Pedro Nunes vai tornar-se num espaço adequado às suas funções, sem desvirtuar o que outrora foi a Igreja do Espírito Santo, edifício classificado como património de interesse público. Esta obra, há muito reclamada pelos alcacerenses, vai agora ser uma realidade com um investimento elegível de 775.140,38euros a que corresponde uma comparticipação do FEDER de 658.869,32euros, valor referente nesta fase à obra construtiva. Segue-se, após conclusão para breve, a intervenção de conteúdos museológicos que vai elevar toda a operação para cerca de 1,5 milhões de euros, valor global de toda a intervenção do novo Museu.

Numa outra fase, vai arrancar a museografia para ser dada ênfase ao rio Sado como espaço determinante na origem e desenvolvimento deste núcleo urbano e o seu papel decisivo nos contactos comerciais com o mediterrâneo. Neste sentido, vai ser exposto um conjunto de peças demonstrativas das diferentes épocas de ocupação que refletem a importância dos contactos comerciais facilitados pelo rio Sado, desde a Idade do Ferro até à Época Moderna, sendo dado destaque ao matemático Pedro Nunes, também designado por Petrus Nonius - o salaciense, inventor do nónio e fundador da navegação teórica que mudou a forma como os descobridores portugueses percorriam o mundo.

Para informação complementar do espólio exposto e do guia da exposição, vai ser realizado um making-off do museu, destinado a contextualizar a exposição, apresentando Alcácer do Sal como cidade portuária onde circulavam também homens e ideias, e o rio Sado como determinante na chegada e partida de produtos, encruzilhada de povos oriundos do Mediterrâneo.

No âmbito museológico, pretende-se também apresentar outras aplicações interativas que facilitem o processo de transmissão do conhecimento, potenciando a experiência do visitante e permitindo que o utilizador seja envolvido no contexto e se sinta parte da história exibida. Através do recurso a ecrãs interativos, smartphone e sistema de QRcodes a tablets, os visitantes destes espaços podem obter mais informação sobre as obras e peças em exibição, tornando-se também elementos ativos, tornando a “viagem” à exposição mais criativa e cativante.