vila do Torrão

A vila do Torrão fica situada a 35km de Alcácer do Sal, a 45km de Évora e a 87km de Setúbal e tem 372.763 km2. A principal acessibilidade é a EN2, que faz a ligação a Montemor-o-Novo e Ferreira do Alentejo. A freguesia tem 2.295 habitantes (fonte: INE – Carta Administrativa Oficial de Portugal 2012).

 

A designação Torrão tem origem na palavra torrejam, que significa “torre grande”.

 

Situado na margem direita do rio Xarrama (afluente do Sado), entre o Alto Alentejo e o Baixo Alentejo, conta com um grande passado histórico sendo um povoado com raízes no Período Neolítico. Foi zona de alguma importância no Período Romano e esteve também sob a influência árabe. A libertação deste domínio deu-se em 1217 (quando Alcácer do Sal também foi libertada) e o Torrão foi então doado à Ordem de Santiago.

 

A Ordem aforou o Torrão em 1260, passando a ser vila da Ordem, e novo foral viria a ser concedido à vila em 1512, por D. Manuel I. Em 1490, D. João II, por altura do casamento do seu filho em Évora, concedeu as rendas de um ano de várias vilas, entre as quais a do Torrão. O concelho foi anexado ao de Alvito, tendo depois transitado para o de Alcácer do Sal, por decreto de 3 de abril de 1871.

 

Pertencem a esta freguesia as seguintes localidades: vila do Torrão, São Romão, Rio de Moinhos, Mil Brejos, Casa Branca e Batão.

 

As principais atividades económicas do Torrão são a pecuária, agricultura, construção civil, produção de cortiça, vinho, azeite e pão. No artesanato encontram-se miniaturas de madeira, cerâmica pintada à mão, ferradores e ferreiros, empalhamento de cadeiras, rendas e bordados.

 

Quanto ao calendário de feiras e romarias, o Torrão tem uma feira anual (1º sábado de agosto) e um mercado mensal (3º sábado do mês). Com periodicidade bienal realiza-se uma recriação histórica, que transporta a vila à era quinhentista.

 

Na gastronomia, destaque para a doçaria conventual: ninguém resiste às queijadas e ao bolo real.

 

As principais associações torranenses são: a Sociedade 1º de Janeiro Torranense, o Grupo Coral do Torrão, a Santa Casa da Misericórdia do Torrão, o Grupo Coral Feminino “Cantares do Xarrama”, a Associação Humanitária dos Bombeiros Mistos do Torrão, a ADT (Associação para o Desenvolvimento do Torrão).

 

Inaugurado em 2006, o Museu Etnográfico do Torrão pretende privilegiar duas vertentes bastantes importantes para o concelho: o fabrico de pão e a produção de azeite. É igualmente palco de exposições temporárias e de outras iniciativas culturais.

 

O Torrão possui ainda um complexo desportivo com piscina convertível e um moderno pavilhão gimnodesportivo.


Destacam-se ao nível do património edificado: a Anta de S. Fausto, a estátua do escritor Bernardim Ribeiro (natural do Torrão), a igreja Matriz, a Igreja de São Francisco, a capela de São João da Ponte, o povoado calcolítico do monte da Tumba, o obelisco de Algalé, o palácio dos Viscondes do Torrão, a igreja de São João dos Azinhais e a ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso, entre outros.