CRIPTA ARQUEOLÓGICA DO CASTELO


Cripta Arqueológica do Castelo de Alcácer – Piso Inferior Pousada D. Afonso II


Vinte e sete séculos de história cruzam-se na Cripta Arqueológica do Castelo de Alcácer do Sal, inaugurada a 18 de abril de 2008. O subterrâneo, escavado no subsolo da fortaleza e do antigo Convento de Aracaelli, que hoje acolhe a pousada D. Afonso II, oferece uma verdadeira viagem no tempo. Numa atmosfera única é possível ver vestígios de todos os povos que viveram na colina aos pés da qual se ergue a cidade e aí deixaram a sua marca.


Esta descoberta deu-se em meados dos anos 90, com o projeto de recuperação das ruínas e a sua conversão para o turismo. As escavações então levadas a cabo pelo saudoso arqueólogo e vereador da autarquia, João Carlos Faria e pelo arqueólogo Dr. António Cavaleiro Paixão revelaram vestígios da Idade do Ferro que remontam ao século VII a.C., bem como estruturas do período romano e da ocupação islâmica, abrangendo uma área considerável.

Cripta

Na área intervencionada do Convento encontraram-se muros medievais e também da época cristã pós-reconquista, alicerçados parcialmente em paredes romanas que, por sua vez, se sobrepõem a estruturas pré-existentes mais antigas, datadas da Idade do Ferro. Convivem, assim, no mesmo espaço achados com mais de 2600 anos de intervalo entre si.


Para além da diversidade temporal, os vestígios mostram uma multiplicidade de tipologias. A par de inúmeros objetos está um arruamento com uma largura de 3,50 metros e que, no início da ocupação romana, foi provido de uma vala de esgotos, construções com alguma imponência que poderão traduzir a existência de uma zona nobre do aglomerado urbano, assim como um santuário da idade do ferro e romano, cujas estruturas imbricam num conjunto arquitetónico extremamente raro.

Cripta

O maciço de ruínas, devidamente limpas e preparadas, fornece então uma leitura diferenciada das épocas que ali se sobrepõem, das mais antigas, no século V a.C. às mais modernas, no século XVII.


O início:
Em novembro de 1993 deu-se início à grande intervenção arqueológica na área de implantação do Convento de Nossa Senhora de Aracaelli, localizado então no Castelo de Alcácer do Sal, na sequência de uma decisão da Secretaria de Estado do Comércio e Turismo de adaptar este edifício a Pousada da Enatur (Empresa Nacional de Turismo).


A desmontagem de um significativo número de estruturas arquitetónicas referenciadas durante as escavações arqueológicas realizadas na área da cerca do convento, até onde viria a erguer-se parte da futura pousada, e o aparecimento de um santuário localizado imediatamente a nascente das ruínas daquele edifício religiosos,fizeram surgir a ideia de criação no local de um espaço museológico. Tal permitiria garantir a preservação e valorização não só do recinto sagrado, como também das construções das épocas muçulmana, romana e da Idade do Ferro que, entretanto, viriam a ser encontradas durante o prosseguimento das pesquisas.

Cripta
A circunstância de, no decurso dos trabalhos realizados, sob as arcarias laterais do mesmo claustro terem aparecido novos e importantes achados de natureza imobiliária da Idade do Ferro viria a confirmar a excecional importância desta zona do claustro como repositório de significativos testemunhos de caráter religioso.


A ideia da criação nesta área de um espaço museológico foi bem aceite pela Enatur, que se disponibilizou a cooperar na construção das respetivas infraestruturas, contribuindo assim para a valorização da pousada, que passou a dispor de um núcleo museológico ímpar.

Cripta



Horário de funcionamento:


Horário de verão (julho e agosto): 9h30-13h, com última entrada às 12h30; 15h-18h30, com última entrada às 18h00.

Horário de inverno: 9h-12h30, com última entrada às 12h; 14h-17h30, com última entrada às 17h00.


NOTA: A última entrada é feita sempre meia hora antes da hora de encerramento.

A cripta encerra à segunda-feira.

 



Contactos


Telefone: 265 612 058

Email: cripta.arqueologica@m-alcacerdosal.pt




» Consulte aqui o Regulamento da Cripta Arqueológica