Igreja Matriz do Torrão


Inserida num conjunto harmonioso de casas tipicamente alentejanas, a Igreja Matriz do Torrão destaca-se pela sua fachada e pelo portal manuelino. Esta igreja de três naves data do século XIII. Aparece citada pela primeira vez no arrolamento de 1321 das Igrejas do país e era das mais ricas, a julgar pela taxa que lhe atribuíram: 500 libras (apenas era ultrapassada por três outras igrejas).


Foi reconstruída no século XVI. Construíram-se as naves e a capela batismal e no século XVII edificou-se a capela-mor, as capelas laterais e a torre sineira. A igreja pertencia à Ordem de Santiago e situava-se junto ao palácio do Grão-mestre D. Jorge.


Destaca-se o pórtico rendilhado, maneirista, as naves com oito colunas octogonais de mármore e os arcos quebrados de decoração manuelina. A capela-mor possui um altar de talha de estilo nacional. Nas capelas laterais há vários retábulos de pintura maneirista e barroca com interesse. Uma das sete capelas, que invoca Santo Amaro, tem um rodapé de azulejos mouriscos. Encontram-se várias sepulturas com inscrições do século XVII.


Acesso:
Travessa da Matriz e Rua do Adro, no Torrão.