Ruas de São João

Celebrado a 24 de junho, São João é o santo padroeiro de Alcácer do Sal. 

Por altura do mês de junho, sinónimo de arraiais, sardinhadas e muita festa e animação, Alcácer do Sal  “veste-se” a rigor para celebrar o seu padroeiro. Neste âmbito, a Câmara Municipal promove em conjunto com comerciantes e moradores da cidade e a União das Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana o projeto “Ruas de São João”, que tem por objetivo revitalizar tradições e transmitir conhecimentos às gerações mais novas, com as ruas da cidade a serem enfeitadas com manjericos de papel, bandeirinhas, chorões e afixação de quadras populares nas montras das lojas e paredes de vários edifícios.

 



PIMEL - Feira do Turismo e das Atividades Económicas de Alcácer do Sal

Reza a lenda que as melhores receitas doceiras do concelho de Alcácer do Sal nasceram das mãos das freiras do Convento de Aracoelli, instituição religiosa que funcionou no castelo da cidade até ao princípio do século XIX. Independentemente da sua inspiração mais ou menos divina, o que é certo é que a doçaria concelhia – que tem no pinhão e no mel duas das suas matérias-primas por excelência – é apreciada por todos os que a experimentam. Foi pois com o intuito de promover o pinhão e o mel, bem como a gastronomia e a doçaria regionais que a Câmara Municipal de Alcácer do Sal inaugurou, em 1990, a PIMEL. 

Passados vários anos sobre a sua criação, a feira é hoje bastante diferente do que era inicialmente. Aquela que começou por ser a Feira do Mel, do Pinhão e da Doçaria Tradicional deu lugar à Feira do Turismo e das Atividades Económicas, um espaço de promoção da economia não só do concelho, mas de todo o litoral alentejano. Além dos concursos de doçaria e de mel, decorrem ocasionalmente no evento demonstrações de atividades equestres e cinófilas e mostras relacionadas com atividades de lazer, como a pesca, a caça ou os desportos radicais.

A PIMEL é, pois, a feira indicada para todos os que apreciam a boa gastronomia e doçaria, para os que gostam da vida ao ar livre, mas sobretudo para os que querem usufruir do dinamismo económico e cultural de Alcácer do Sal.

 



Marchas Populares

Em 1946, por ocasião dos Santos Populares, a Sociedade Filarmónica Amizade Visconde de Alcácer fez desfilar a Marcha Popular da Calceteira. Esta iniciativa pode ser considerada como o primeiro passo para a criação de uma maiores manifestações da arte popular alcacerense: as marchas populares. 
Demorariam, no entanto, oito anos para que as marchas de Alcácer saíssem efetivamente para a rua. A 13 de junho de 1954 (dia de Santo António) os bairros dos Açougues, Cabo da Vila e São Pedro e a rua Direita desfilam pela primeira vez pelas ruas da cidade. A partir dessa data, as marchas populares passaram a realizar-se regularmente, de quatro em quatro anos, dando expressão a uma saudável rivalidade bairrista e à criatividade de poetas, compositores, coreógrafos, carpinteiros, pintores, eletricistas e costureiras alcacerenses. 
A última edição das marchas de Alcácer data de 1997. 

Nos últimos anos tem-se procurado recuperar esta tradição alcacerense, de tal modo que, por altura da PIMEL, as marchas infantis recriaram em 2006 e em 2009 a alegria que noutros tempos a marchas populares traziam ao concelho.